Ir para conteudo

Site Autáquico - Câmara Municipal de Monção

Monção

Fale Connosco
> Notícias > MONÇÃO DISTINGUIDO NOS PRÉMIOS “VIVER EM IGUALDADE”

MONÇÃO DISTINGUIDO NOS PRÉMIOS “VIVER EM IGUALDADE”

20.10.2022

A cerimónia de entrega de prémios realizou-se esta tarde, no Teatro Jordão, em Guimarães, com a presença da Secretária de Estado da Igualdade e Migrações, Isabel Almeida Rodrigues.

 

O Município de Monção foi distinguido no Prémio “Viver em Igualdade” para o biénio 2022-2023, promovido pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), no âmbito da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não Discriminação 2018/2030 – Portugal + Igual.

 

Num total de 33 municípios e uma junta de freguesia de várias regiões geográficas do pais, o nosso município recebeu uma menção honrosa, sendo o único em todo o Alto Minho. A distinção foi entregue hoje, no Teatro Jordão, em Guimarães.

 

A cerimónia foi presidida pela Secretaria de Estado da Igualdade e Migrações, Isabel Almeida Rodrigues, sendo antecedida por comunicação da Presidente da CIG, Sandra Ribeiro. A representar o nosso município esteve a Vereadora do Pelouro da Saúde, Daniela Fernandes.

 

No âmbito da sua política social e educacional, o Município de Monção tem colocado em prática várias ações para a promoção da igualdade de género, procurando diminuir as desigualdades sociais e reforçar a coesão social em todas os setores da sociedade.

 

O reconhecimento da CIG com a atribuição da menção honrosa revela o trabalho efetuado e o compromisso em fomentar a cidadania e a igualdade de oportunidades, demonstrando que Monção é um dos melhores municípios do pais para viver em igualdade.

 

O Prémio “Viver em Igualdade”, que assinalou a 6ª edição, tem como finalidade distinguir municípios com boas práticas na integração da dimensão da igualdade de género, cidadania e não discriminação, quer na sua organização ou funcionamento, quer nas atividades desenvolvidas para alcançar os objetivos de igualdade propostos.

 

O júri de seleção foi constituído por Catarina Sales, socióloga e investigadora da Universidade da Beira Interior, Tatiana Moura, representante da Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres (APEM) e Sandra Ribeiro, Presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG).