Site Autáquico - Câmara Municipal de Monção

Monção

Fale Connosco
> Notícias > MONÇÃO, AS NEVES E ASOCIACIÓN DE AFECTADOS REFORÇAM CONTESTAÇÃO À LINHA DE MUITO ALTA TENSÃO

MONÇÃO, AS NEVES E ASOCIACIÓN DE AFECTADOS REFORÇAM CONTESTAÇÃO À LINHA DE MUITO ALTA TENSÃO

18.05.2021
Autarcas e associação reafirmam posição contrária à instalação daquele empreendimento elétrico, considerando que a sua funcionalidade terá um impacto negativo brutal em ambos os territórios e nas populações locais.
 
Com o projeto da linha de muito alta tensão em cima da mesa, realizou-se uma reunião de trabalho entre o Presidente da Câmara Municipal de Monção, António Barbosa, o Alcalde de As Neves, Xosé Manuel Rodriguez Mendez, e o Presidente da Asociación de Afectados Pola Liña de Alta Tension Fontefria- Fronteria Portuguesa, Vítor Gil.
 
Fazendo o ponto da situação daquele empreendimento elétrico, bem como de todas as posições contrárias ao projeto manifestadas até ao momento, acordou-se no estabelecimento de um conjunto de medidas de reforço à contestação da linha de muita alta tensão.
 
Monção e As Neves, à semelhança de outros municípios localizados na região fronteiriça, têm manifestado total discordância com aquele empreendimento, onde se pretende implementar uma linha elétrica de 400 Kv (que pode chegar aos 800 Kv) desde Fonte Fria, na Galiza, até à fronteira portuguesa, com o seu prolongamento à rede elétrica nacional, no âmbito do plano de expansão da “REN – Rede Elétrica Nacional, S.A.”
 
Rejeição unânime ao projeto
 
Em janeiro de 2019, tanto a Assembleia Municipal de Monção como o Pleno do Concello das Neves aprovaram, por unanimidade, uma proposta de rejeição do projeto. Ano e meio mais tarde, em julho de 2020, no decorrer do período de consulta pública, voltaram a manifestar-se contrárias, de forma bastante explicita, à construção da referida linha no nosso território. Este ano, em conjunto com o movimento associativo, reafirmaram a contestação à Linha de Muito Alta Tensão.
 
Os dois autarcas e o representante da associação presente entendem que a instalação e funcionamento da linha de muito alta tensão terá um impacto negativo brutal em ambos os territórios e nas populações locais, originando diversos problemas para a saúde pública, comprovada em diferentes publicações e pesquisas efetuadas por organismos distintos e credíveis.
 
A uma só voz, defendem que mais que uma linha de muita alta tensão, o território fronteiriço necessita de politicas ativas de valorização das potencialidades locais, bem como de medidas concretas que favoreçam o equilíbrio ambiental, a promoção social e cultural e a fixação das populações nos meios rurais.